Translate

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Sinaleiras de pedestres são ignoradas na Capital

Sinaleiras de pedestres são ignoradas na Capital
Desrespeito e problemas no funcionamento fazem com que semáforo não cumpra seu papel
Criadas para garantir a segurança de quem está a pé e precisa chegar ao outro lado de uma via, as sinaleiras para pedestres nem sempre cumprem o seu papel.
Problemas no funcionamento do equipamento e desrespeito por parte dos motoristas e dos próprios caminhantes estão entre os motivos.Por volta das 18h de ontem, por exemplo, quem quisesse atravessar na Rua D. Pedro II, em frente ao número 1.115, na Capital, para chegar ao corredor de ônibus, poderia ser atropelado por uma motocicleta que não parou no sinal vermelho, ao contrário dos outros carros que estavam na via.A estudante de psicologia Juciele Gomes, 19 anos, que caminhava na altura do número 600 da Avenida Farrapos, desabafou sobre a pouca utilidade do equipamento:– Às vezes, me sinto bastante desrespeitada.
Ou o sinal demora muito, ou os carros não param.O funcionário público Ronald Luz, 46 anos, também acha que o principal problema são seus colegas de direção.
– O pedestre geralmente respeita a faixa e o sinal, o que vejo são os veículos passando no vermelho – pondera o motorista.Mas há flagrantes de descumprimento das regras dos dois lados. Um grupo de estudantes passou sobre a faixa em frente ao semáforo para pedestres, também na Farrapos, quando o sinal estava fechado para eles.
Dos cerca de 8 mil semáforos da Capital, entre 2 mil e 3 mil são para pedestres. O diretor de Trânsito da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), Sérgio Marinho, afirma que a maioria das reclamações recebidas pelo órgão são referentes à demora para que o sinal abra para quem quer atravessar.
Ele explica que esses semáforos são coordenados com os dos cruzamentos.– O ciclo do sinal pode variar de 60 a 120 segundos. Quem acionar no início de um ciclo longo pode ter de esperar mais – salienta Marinho.
Falta de energia causa maioria das panes
Além disso, há situações em que eles param de funcionar. O motivo, em 99% dos casos, diz Marinho, é a falta de energia elétrica. Mas também podem ocorrer curtos-circuitos, geralmente por causa da água da chuva. Quase sempre apenas uma das lâmpadas estraga.
A saída é prestar atenção na que ainda funciona – e avisar a EPTC pelo 118.O engenheiro especialista em trânsito Walter Kauffmann Neto aponta outros problemas que tornam a circulação a pé mais perigosa na Capital, como a curta distância entre as sinaleiras e a má sincronização entre semáforos para pedestres e em cruzamentos.
Um exemplo é o trecho citado da Rua D. Pedro II, onde um semáforo está a poucos metros do outro, no cruzamento com a Cristóvão Colombo.– Às vezes, um sinal está aberto e o outro, fechado.
O motorista vê o verde e o vermelho ao mesmo tempo, e isso confunde a mente – frisa.
Nova regra, nova dúvida
A campanha Novo Sinal, que incentiva os pedestres da Capital a estender a mão para solicitar passagem em faixas de segurança, vale apenas para locais onde não há semáforo.
Ou seja, a novidade, lançada na semana passada, não significa que agora não é mais preciso respeitar os sinais. E também não se aplica a locais onde não há faixa de segurança. O novo sinal não é lei, mas usar e respeitar a faixa está no Código de Trânsito Brasileiro (Lei nº 9.503/97).
Fonte: ZERO HORA, 14/09/09

6 comentários:

Antonio Paulo disse...

Já comentei aqui nesse espaço casa de ferreiro espeto de pau. Como a EPTC quer cobrar dos motoristas sem dar o exemplo. Vamos colocar pra fora o dinheiro das multas e melhorar esses locais de travessia dos pedestres.

anaire disse...

muchas gracias por tus deseos y bonitas palabras para el cumpleaños de mi hija!!

todo esto dice de ti que eres una gran persona.

como madre te doy las gracias de todo corazón!

Mariana disse...

Será preciso uma grande conscientização e tb cada um fazer a sua parte.
Como os ´rogãos irão cobrar se não fizerem a sua parte?

CARLA ROCHA disse...

Parabéns pelo blog,pelos posts, pela iniciativa! Grande abraço, semana iluminada!

Fernanda Guerra disse...

Pedestres tambénm devem ajudar pois tem gente correndo no meio de ruas...para atravessar....perigo.

Sonia Ramos disse...

Sempre foi assim...