Translate

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Mariana escreve em seu blog

A maior tragédia da vida
No episódio de ontem do Criminal Minds, contava a história de um homem normal, bom profissional, bom pai de três filhas, marido, homem equilibrado, até que um dia trocando o pneu do carro, sua filha menor (+- 5 anos) sai do carro e é atropelada vindo a falecer.Ele passou “secretamente” a sentir-se culpado e matar motoristas loiras.Ele “pirou”, imaginava que sua família, seus colegas o culpavam...O episódio termina com uma frase de um ex-presidente que diz que a morte de um filho é a maior tragédia da vida.
Concordo com esta frase, e é por isso que participo da ONG Alerta, criada pela Lisette.Sei da sua dor, e vejo nesta mulher uma pessoa doce, encantadora, lutando pela vida de outras mães, querendo impedir que mais pais sintam o que o seu coração e do seu marido sentem todos os dias.Sendo uma mãe que tendo o seu coração dilacerado, não a tornou amarga.
Quando vejo pessoas querendo tirar vantagem da dor da Lisette, eu sinto nojo. É revoltante.Se aproximar desta mãe, querendo se beneficiar com a posição do seu marido é algo que vejo constantemente.
Vejo também fecharem as portas para a ONG por não “simpatizarem” com as opiniões do seu marido.Para mim é tão claro, marido é o pai que sofre com a perda da filha e o homem público é outro.Não consigo misturar as coisas, assim como o irmão gêmeo dele, que parece “igualzinho” é outra pessoa.Para mim é inaceitável e desumano pessoas quererem tirar vantagem da dor da maior tragédia da vida.
Não sei como há “seres humanos” sem sentimentos bons, sem solidariedade, sem compaixão ao próximo.Como não sensibilizar o coração diante da maior tragédia da vida? Eu não consigo entender.Este é o meu desabafo de hoje, pois posso viver milhões de anos, mas há fatos que não consigo compreender ou aceitar.
Fonte Blog da Mariana, Quarta-feira, 30 de Setembro de 2009

15 comentários:

Antonio Paulo disse...

Senacional Mariana vindo de você não é novidade para mim sua revolta. Mas na vida é assim poucos se aproximam para ajudar sem interesse. E me fazes perguntar lembras que te consultei sobre enviar aquelas palavras que escrevi sobre a Alessandra?
Porque eu mesmo sem muita cultura pensei sera que não irão confundir o que escrevi de coração com oportunismo?
Verdade minha amiga eu tenho essa consciência mas os aproveitadores de plantão não a tem podes crer. Mas dona Lisette além de saber distinguir situações puras com esperteza tem que saber lidar com esses dissimuladores e aproveitadores de plantão. Sabemos que como mãe ela aceita mas como esposa de um homem público há que filtrar certos tipos de " ajuda".As vezes digo uma blasfêmia que confessarei aqui: " Deus criou o homem a sua imagem mas as almas desse seres perderam-se ao longo do tempo em vázios escuros em abísmos sem volta e ai meu maior erro: foi a sua pior criação o ser quase humano"

Mariana disse...

Conheço pessoas que após a morte de um filho,mudaram a maneira de viver, tipo "piraram mesmo", e acho mais que compreensível, pois como agir diante da perda de um filho?é de enlouquecer,literalmente.
E o episódio no seriado, mostrou o q acontece com muita frequência.
Já disse e repito,admiro a Lisette,pela força (creio q nem a própria sabe da onde vem).
Busca na sobrevivência a luta por um trânsito seguro,os cuidados pela vida dos outros.
Não faz por vaidade,por estrelismo,pois antes sempre fez trabalho voluntário e no anonimato.(Lisette não brigue comigo por contar).
Isto é grandeza do ser humano lindo e raro que é a mãe da Alessanda, da Aline e esposa.
Sei que daria a sua própria vida,moveria montanhas se fosse possível para poder abraçar,beijar a Ale novamente.
Cada dia q passa é mais um de saudade.
Todos os dias são difíceis e o primeiro dia de cada mês é mais um mês,de saudade,de ausência.
É sobrevivência da mais cruel que pode haver, e por isso que eu acho desumano qd percebo "oportunismo".
Será q essas pessoas não tem medo da Mão Divina?
Sou meia "panga" e posso até demorar,mas percebo quando não vem do coração.E isso me revolta.
Sentimento por mais que tentam dissimular,ele "aflora".
Lisette continue neste caminho, conte comigo, com o Antonio,a Lu e tantas mil pessoas q te amam,te admiram e respeitam.
Os cruéis q acham q tens a Alerta para brincar pq não tem o q fazer, são tão insignificantes,q tens d ter pena,dó e piedade.
Resumo:Lisette, tu és uma mulher guerreira,forte,brava...e lá do alto, ao lado de Deus tem um Anjo muito especial com
orgulho da mãe,humana,mulher q "deixou" na terra.
Tu és o orgulho da Ale,e ela está zelando por ti.Acredite.
Alerta sempre.

Lisette Feijó disse...

A maior tragédia da vida é as pessoas não conseguirem viver sua própria vida e sim estarem preocupadas com as vidas alheias, sem ter o que fazer, pelo amor de Deus temos muito e podemos fazer muito. Claro que que ec=xistem limites de cada um mas tem que querer, tem de mudar, para alcançar e poder crescer, não é bobagem mas sim a VIDA É UMA ESCOLA, se aprende todo dia com tropeços e dias melhores, como vemos aqui a maldade das pessoas sempre vai existir, mas precisamos conviver com elas e pedir que Deus olhe mais para elas quem sabe?
Sou apenas uma mãe que sei como é cruel a saudade e estou tenatndo fazer a minha parte nesta história que é a vida...obrigada por mais um dia e mais amigos...

Ricardo Conceição disse...

Lisette faz o que te der vontade tu tens todo direito.

Antonio Paulo disse...

Dona Lisette os verdadeiros amigos não apresentam-se só para festas. São nos momentos de dor que eles aparecem. Sua lição de vida serve de exmplo para muitos. Que bom sabe-la uma samaritana. E das puras mesmo pois quem faz caridade não precisa dizer. A Mariana contou e isso faz nós gauchos nos orgulharmos mais da senhora. A nossa destra não precisa saber o que a mão esquerda ofereceu ao irmão nescessitado.

Jurandir Santos disse...

Lisette não liga para o que as pessoas dizem ou pensam teu coração sabe o que fazer!Continue sempre!

Paulo Soares disse...

Lisette ações precisam ser feitas agredecemos sua coragem de colocar a cara nesta guerra.

Antonio Paulo disse...

Porque irmãos?
sim porque o egoísmo
de mim precisas de ti preciso
quando me deres a mão
entrega junto teu coração

somos como o vento aqui de passagem
faças de mim instrumento dessa amizade
não chegues até mim buscando ascender
pois cada degrau sozinho tens que vencer

temos todos nossas missões provas pesadas
precisamos amigos e amigas desinteressadas
quando perdemos um ente querido sobe junto
em meio a emoção nossa parte mais nobre o coração

não em penitência mas de são consciência
estou disposta a ajudar necessitados
mas não seres apenas interessados
no progresso material nossa ONG é do bem não do mal.

Antonio Campos 02/09/09.

Gianete Rocha disse...

Tem um selo “Prêmio Dardos” para você em meu blog, que dá a cada blogueiro o reconhecimento de seu valor, esforço, ajuda e transmissão de conhecimento.Beijos.

Maria Inês Mascarenhas disse...

Todos podem fazer a diferença a maior dificuldade é querer, vamos lutar por causas nobres, como esta, muito apoiada

Sandra Baptista disse...

Lisette, gostei muito do seu blog, e obrigada pela visita ao meu! gostaria de presenteá-la com o "Prêmio Dardos", está em meu blog www.mandalastral.blogspot.com a sua espera. NAMASKAR!!!

Antônia Vasconcellos disse...

Trabalhar pela vida é um ensinamento, parabéns.

Augusto Fernandes disse...

Sim quem faz com o coração não precisa nada em troca, sorte e luz.

Maria gazineu disse...

Lisette,

Não sou mãe mas tive muito amor, carinho e cumplicidade da minha mãe.EU SEI O QUE É SAUDADE!!!!
Te admiro demais e conte sempre comigo e teus verdadeiros amigos...

Vamos em frente e sempre ALERTA!!!

Com carinho, Maria.

Ricardo Conceição disse...

Trágédia é a futilidade das pessoas...esta mãe esta vivendo o melhor que consegue.