Translate

quinta-feira, 26 de março de 2009

À prova de acidentes

À prova De acidentes
Carros alemães avisarão se uma colisão vai acontecerEnquanto o Brasil apenas agora começa a tornar obrigatório um item elementar de segurança como o air bag, na Alemanha logo os automóveis poderão prever uma colisão ou atropelamento iminente e avisar o motorista com tempo suficiente para uma ação evasiva.
Que poderá ser feita pelo carro.Scanners, radares, sensores ópticos e câmeras 3D e de infravermelho estão tornando os veículos alemães cada vez menos dependentes dos motoristas. E os números de vítimas no trânsito não param de cair.Em 1970, 21.332 pessoas morreram em acidentes automobilísticos na Alemanha.
O uso de recursos de direção assistida começou no país naquela década com o advento do ABS, que evita o travamento das rodas em freadas. Nos anos seguintes, sistemas como o Adaptive Cruise Control (ACC), que ajusta a velocidade para manter sempre a mesma distância do veículo da frente, tornaram os carros ainda mais seguros.Hoje, as marcas alemãs exibem dispositivos como o Night Vision, da BMW, que usa câmeras infravermelhas para identificar, à noite, obstáculos potenciais, como pedestres em movimento.
A câmera pode detectar formas a mais de 300 metros de distância.
Se o computador do carro perceber alguém atravessando a rua e concluir que a situação é perigosa, exibe um alerta (projetado no pára-brisa) pedindo que o motorista desacelere. Mesmo a 100 km/h, ele terá até sete segundos para tomar uma ação evasiva, se for necessário.
O resultado do uso de tanta tecnologia reflete-se nas estatísticas.
Em 2008, 4.467 pessoas morreram em acidentes na Alemanha, 80% menos do que em 1970, e o índice mais baixo desde que os levantamentos começaram a ser feitos nos anos 50.
Mas os engenheiros não estão satisfeitos e projetam um futuro em que talvez nenhuma intervenção humana seja necessária para conduzir um automóvel.
– Não queremos tirar o prazer das pessoas de dirigir, apenas fornecer informações mais precisas para os motoristas tomarem suas decisões – desconversa o engenheiro Raymond Freymann, da BMW.Mas a própria BMW já testa um protótipo que dispensa totalmente o motorista.
O carro acelera, freia e faz curvas sozinho. Quando chegar ao mercado, talvez os alemães não tenham mais mortes no trânsito para chorar.

Os carros serão capazes de se comunicar uns com os outros e terão câmeras panorâmicas que permitirão detectar obstáculos dentro e além das curvas.
100% conectados
- Até os painéis dos carros alemães estão sendo projetados para aumentar a segurança. O ponto central é a internet móvel, que por um lado manterá o motorista informado sobre as condições de tráfego (como pontos de engarrafamento, pista escorregadia) e as cotações do mercado financeiro, os hotéis e restaurantes e cinemas mais próximos ou as vagas para estacionar.
Mas a web também conectará o carro a centrais de atendimento. Em caso de pane ou acidente, o veículo automaticamente enviará um sinal informando sua localização e fornecendo detalhes básicos sobre a situação para as equipes de socorro, que assim poderão chegar com mais rapidez ao local.
Manobrista eletrônico
- Um assistente de estacionamento, atualmente sendo testado em um protótipo do BMW X5, pode manobrar um carro sem qualquer interferência do motorista.
Ele só precisa acionar um dispositivo do tamanho de um controle remoto. Sensores como radares e scanners avaliarão o espaço em volta e levarão o carro até uma vaga.
Sem rota de colisão
- Com seu carro monitorado por sensores, conectado a outros carros e aos sinais de tráfego e orientado por sistemas de navegação em tempo real, o motorista receberá por sinais sonoros e no painel se um veículo que aparece no campo do radar está na mesma pista ou se um pedestre vai atravessar a rua. Mesmo a 100 km/h, ele terá até sete segundos para evitar um acidente.
Evitando o perigo
- O Active Cruise Control (ACC) mantém a velocidade e a distância constantes em relação aos veículos à frente. Radares escaneiam permanentemente a rodovia.
Quando o carro se aproxima de um veículo mais lento, o ACC reduz a aceleração e aplica os freios, mantendo a distância predefinida. A distância é ajustada em segundos, e não em metros, o que dá mais tempo de reação ao motorista.
O ACC também detecta pedestres a mais de cem metros de distância e antecipa a direção em que eles estão indo.
Fonte:Jornal Zero Hora, 23 de março de 2009

4 comentários:

Mariana disse...

Achei maravilhosa esta notícia, chamou-me a atenção esta frase:
"Quando chegar ao mercado, talvez os alemães não tenham mais mortes no trânsito para chorar."
Espero que em breve a palavra "alemães" seja trocada por todas as nações do mundo.
Torço que dê certo.

Fernanda Guerra disse...

É uma pena que nossos governantes não pensem assim, o trânsito mata e fica tudo igual só manchetes.
Fernanda Guerra

Fernando Becker disse...

Pena que reaalmente não se pensa em pessoas, quantos poderam ter toda esta tecnologia?
Fernando Becker

Maria de Paula disse...

Seria muito bom se todos pensarem em vidas.
Maria De Paula