Translate

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Segurança no trânsito e contagem de corpos

Pessoas em meio a um engavetamento na principal rodovia entre Praga e Brno, na República Tcheca. (Foto: Reuters)
O mundo poderia salvar milhões de vidas e economizar bilhões de dólares se tornasse as viagens rodoviárias mais seguras, enfrentando, assim, uma pandemia global que é mais letal que a malária.
As mortes e os ferimentos nas estradas são amplamente aceitos como um preço trágico, porém inevitável, que a sociedade paga pelos muitos benefícios do transporte rodoviário. Enquanto os acidentes de avião ou trem viram manchete, os acidentes de trânsito não rendem mais do que notas de rodapé.
No entanto, a busca incansável da humanidade por maior mobilidade tem consequências devastadoras. A cada ano, no mundo todo, as estradas matam mais gente que a malária: 1,2 milhão de mortos e 50 milhões de feridos. Em cada cinco mortes nas rodovias, quatro delas ocorrem hoje nos países em desenvolvimento, onde as pessoas pobres, que se deslocam a pé, de bicicleta ou motocicleta, são especialmente vulneráveis.
Em 2020 os acidentes de trânsito serão o terceiro maior fator de pressão sobre a saúde mundial, antecipa a Organização Mundial da Saúde (OMS), com um aumento de 80% nas fatalidades ocorrendo em países de renda baixa e média.

O custo do monitoramento
Tal devastação de vidas custa à economia mais de 500 bilhões de dólares ao ano em perda de produtividade, segundo um relatório de 2004 feito pelo Banco Mundial e pela OMS, intitulado 'World Report on Road Traffic Injury Prevention' (relatório mundial sobre prevenção de ferimentos no tráfego rodoviário). Só os Estados Unidos perdem mais de 230 bilhões de dólares anualmente, enquanto a União Europeia perde mais de 160 bilhões de euros.

Esses números não incluem os custos humanos e sociais, ou o impacto sobre os serviços de saúde, os quais, nos países mais pobres, já lutam para enfrentar doenças e desnutrição, sem o fardo adicional das vítimas do trânsito.
O imenso impacto econômico é parcialmente explicado pelo fato de que mais da metade das vítimas do trânsito está na faixa etária de 15 a 44 anos, ou seja, são, na maioria, trabalhadores produtivos e pais. Os acidentes de trânsito também são a principal causa de deficiências na União Europeia.
Os países em desenvolvimento, por sua vez, perdem mais em acidentes de trânsito do que recebem em assistência internacional para fomentar o desenvolvimento. Apesar disso, a segurança viária "não consta dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio e está ausente das políticas promovidas pela ONU e pelo G8", no dizer da entidade denominada Commission for Global Road Safety. Por exemplo, no orçamento do Reino Unido de 2003-2004 para projetos de trânsito no exterior, apenas 1,5% foi dedicado à segurança viária.

Acidentes sempre acontecerão
Os países podem obter enormes ganhos econômicos e sociais protegendo seus cidadãos usuários de rodovias, incluindo avanços rumo às metas do milênio, como cortar pela metade a pobreza extrema e reduzir a mortalidade infantil.
O primeiro passo é desafiar as atitudes fatalistas. "O termo 'acidente' pode dar a impressão de inevitabilidade e previsibilidade, como um evento que não pode ser gerenciado. Mas não é esse o caso," contrapõe o relatório mundial (World Report on Road Traffic Injury Prevention).
Isso foi comprovado nos países do Leste Europeu, da região Ásia-Pacífico e da América do Norte, onde as mortes e os ferimentos no trânsito alcançaram números recorde nos anos 1970 e depois foram revertidos nas duas décadas seguintes, apesar dos volumes de trânsito bem maiores.
Os governos trocaram a cultura do 'culpar o erro humano' por uma abordagem que visa um 'sistema seguro' que incorpora o usuário, os veículos e a infraestrutura viária. Impuseram também limites de velocidade e leis sobre o uso do cinto de segurança e sobre dirigir alcoolizado, construíram ruas e estradas mais seguras, e ainda obrigaram as montadoras a produzir veículos mais seguros.
A França, por exemplo, reduziu em 20% as mortes nas estradas entre 2002 e 2005 após uma vigorosa campanha pública e o uso maciço de radares e bafômetros. O retorno econômico, em termos da redução dos custos decorrentes de acidentes, foi de 50 vezes o valor gasto na promoção da segurança viária, relata a Comissão para a Segurança Viária Internacional.
Análise custo-benefício
Países pobres também podem ter melhor segurança viária? Para justificar despesas, eles teriam de calcular os benefícios e investir de acordo com eles. Porém, estabelecer o preço das vidas salvas ou dos ferimentos evitados é algo sabidamente difícil e varia muito, mesmo no mundo industrializado. Contudo, muitos países efetuaram análises de custo-benefício das medidas de segurança viária.
O Reino Unido, que exibe um dos coeficientes de vítimas mais baixos do mundo, estimou em 2005 que o país economizou mais de 1,6 milhão de libras por fatalidade evitada. O cálculo levou em conta itens como perda de produção, despesas médicas e policiais, além dos custos humanos em termos de luto e sofrimento. O valor total de evitar todos os acidentes de trânsito no Reino Unido foi calculado em mais de 17 bilhões de libras esterlinas.
Segundo uma análise de custo-benefício feita em 2003 pela Comissão Europeia, os países da UE poderiam economizar, por si mesmos, mais de 30 bilhões de euros em 15 anos se usassem equipamento automático de controle da velocidade, inspeções intensivas de motoristas alcoolizados e sem cinto de segurança, além de fazer campanhas para conscientizar o público.
Porém, nem todas as medidas são igualmente úteis.
A rede ROSEBUD de pesquisadores e autoridades, com financiamento da Comissão Europeia, analisou estudos de caso do mundo inteiro. Os especialistas observaram que um programa nos Estados Unidos de fiscalização de tráfego seletivo em períodos e locais de alto risco salvou vidas a um custo médio de apenas 5.200 dólares por vida. Em contraste, equipar os ônibus escolares com cintos de segurança evitou muito poucas mortes e teve um custo colossal de 2,8 milhões de dólares por vida salva.
Uma das melhores proporções entre custos e benefícios foi demonstrada por meio de testes no Reino Unido com os dispositivos de adaptação inteligente de velocidade (Intelligent Speed Adaptation – ISA). Essa tecnologia usa recursos como GPS e mapas digitais para obter com precisão a localização do veículo e sincronizá-lo ao limite de velocidade aplicável.

Poupar vidas economiza dinheiro
Tecnologias sofisticadas como o ISA não estarão disponíveis para a maioria dos usuários do sistema viário mundo afora. No entanto, muitas das medidas mais eficazes catalogadas pelos especialistas em segurança viária são as campanhas de conscientização e fiscalização visando as três maiores causas das fatalidades no trânsito: velocidade, álcool e falta de uso do cinto de segurança.
As autoridades suíças, por exemplo, esperam que a introdução de limites de velocidade de 30 km/h em áreas residenciais e 50 km/h nas principais vias urbanas irá custar 11 milhões de euros por ano. Porém, o total de benefícios anuais a serem colhidos em termos de fatalidades, ferimentos e danos patrimoniais evitados serão da ordem de 102 milhões de euros.
Os países de renda baixa e média poderiam, teoricamente, adotar medidas similares para reverter a crescente espiral das mortes no trânsito. O Banco Mundial afirma que, se as taxas de fatalidade por veículo nos países pobres caíssem 30% até 2020, mais de 2,5 milhões de vidas poderiam ser salvas e 200 milhões de ferimentos seriam evitados.

As vidas salvas se traduziriam em termos socioeconômicos, como maior economia. Estudos recentes em Bangladesh e na cidade indiana de Bangalore mostraram que entre 33% e 71% das famílias pobres que perderam um membro da família em acidente de trânsito não eram pobres antes do acidente. Devido à perda da renda que era ganha pela vítima, mais de sete em cada dez famílias passaram a comer menos.
Pode parecer estranho, mas o maior desafio será convencer a sociedade de que as perdas humanas como efeito colateral causado pelo transporte viário são um preço que não vale mais a pena pagar.

Pessoas em meio a um engavetamento na principal rodovia entre Praga e Brno, na República Tcheca. (Foto: Reuters)
0Por James Tulloch

33 comentários:

ONG ALERTA disse...

Os países de baixa renda tem muito que aprender até o ano de 2020, onde iráo morrer milhares de pessoas no tränsito se náo houver conscientizaçáo...
Precisamos de indivíduos mais responsáveis para salvar vidas!!!!

sandrinha disse...

Oi querida!vim te deixar um abraço...como já te disse eu não dirigo...mais tem a minha família que tanto amo...meus amigos que vivem no transito né?e tantas pessoas que não conheço...acho muito importante ter um blog assim nos meus favoritos!vamos Salvar vidas!estou com vc amiga..conte comigo!te deixo um abraço..
Um final de semana traquilo!fica com Deus!

ღPat. Rochaღ disse...

Lizette,

Quando vou sair com o carro, antes, faço uma oração pedindo que o trânsito flua bem e que Deus nos proteja de policiais, acidentes e assaltos!!

Esta tragédia é de chocar!!
Parece que as pessoas estão tão acostumadas com os acidentes de carro que nem ligam mais... por isso, penso que só fazem notas de rodapé nos jornais...

A cada dia que passa, tenho mais medo de sair na rua.

Um beijo especial.

"(H²K) 久保 - Hamilton H. Kubo" disse...

Olá Lisette, infelizmente uma triste e dolorosa realidade. O fato é que esse tipo de notícia acaba sendo ocultado, e muitas vezes isso ocorre por se tratar de erro Humano, as vezes um serviço mal feito ou não finalizado que possui um responsável. E pelo fato de haver um responsável, irresponsável é que muitas vezes o ocorrido é ocultado.
Para nossa infelicidade o ser humano ainda é capaz de valorizar o bem material, mas incapaz de valorizar a vida.
Duro é perceber que esta evolução já é demasiada tardia!

Beijos

ArcadoAutoConhecimento disse...

Amiga. Que cena triste!!! Beijos.

lucidreira disse...

E como pode sim salvar vidas que são destruídas com as negligencias dos poderes constituídos em países com a classificação de pobres.
Abraço

Flor de Jasmim disse...

Lisette querida
Chocante demais, sabes amiga mexe demais comigo esta realidade do mundo em que vivemos.
Beijinho bom fim de semmana

Lilá(s) disse...

Este blogue tem um papel extremamente importante! tomara muita gente o viesse ler...
Bjs

Tânia T. disse...

Alguma coisa precisa ser feita para mudar essa realidade tão triste que estamos vivendo.. todo dia um acidente acontece.. =/

E quantas pessoas já se foram por conta disso... :'(


Bjuuu

Márcia disse...

é uma imprudência atrás da outra...a impunidade está cada vez pior...os caras pagam fiança e respondem em liberdade, enquanto as familias choram .....

É dureza!!!

Que Deus nos proteja....hoje e sempre....só ele mesmo por nós.

OutrosEncantos disse...

o maior flagelo de hoje em dia:

os acidentes na estrada por inconsciencia!

abvraço e beijo, Alexandra.

Antônio Lídio Gomes disse...

As leis frouxas e coniventes com o crime no trânsito contribuem para todo o barbarismo.
Um abraço, beijos.

Celina disse...

Oi querida amiga Lizette paz para todos E com tristeza que vemos pelos caminhos gente caída vítima de atropelamento, e acidente de motos, todos nós ficamos tristes quando deparamos com cenas como estas, onde o responsável a maioria das vezes foge sem prestar socorro.E amiga é triste ver a impunidade que aumenta a cada dia.
Um abraço com carinho Celina

Cynthia disse...

Olá Lisette, estamos presenciando muito morte em SP, que horror, parece uma guerra. Eu fico imaginando essas famílias como ficam. Saudades, bjs Cynthia

Van disse...

Perfeita esta proposta de mudar a concepção já arraigada de que mortes no trânsito são "acidentes" por isso mesmo inevitáveis, fatalidade.
Hoje acordei com a triste notícia de um grave acidente em uma região aqui perto que concentra inúmeros salões de festas. Nos finais de semana são realizados lá várias festas de formaturas e casamentos, como o acesso à região é feito em um trecho de BR, é loucura ir para estas festas onde se passa a noite acordado e bebendo,dirigindo. O final da festa pode ser terrível como o de hoje. As pessoas precisam acreditar mais que podem poupar suas vidas, se todos fossem para lá alugando vans ou taxis, isto não ocorreria.
Outra coisa mais importante ainda é o cuidado com a manutenção e a construção das vias de tráfego.

Bom domingo Lisette!

Pelos caminhos da vida. disse...

Hoje estou aqui para agradecê-la, obrigada pela sua companhia mesmo qdo estou ausente, é gratificante para mim saber que posso contar com ela, meu muito obrigada amiga, logo falarei o motivo de estar ficando tanto ausente assim, é contra a minha vontade.

Um gde abraço.

beijooo.

moniquemelo disse...

Não podemos desistir de tentar mudar as coisas para melhor, se temos uma faísca dentro da gente que pede por isso vamos em frente.
Concordo que o fundamental é investir em educação, pois esta é a base para que as principais mudanças possam acontecer.
Bjo! Monique

Flor de Lótus disse...

Oi,Lizete!Parece-me que ninguém está nem ai para o que acontece no trÂnsito todo mundo finge que não vê.E pelo visto isso não é só aqui no Brasil...
Uma ótima semana!
Beijosss

ValeriaC disse...

Com certeza se houver interesse e boa vontade por parte das autoridades responsáveis e pelos motoristas e pedestres, muitas mudanças poderiam ser feitas visando a segurança no transito, evitando tantas mortes.
Boa semana amiga...beijos
Valéria

Isabel Maria Rosa Furtado Cabral Gomes da Costa disse...

Querida Lisete:
Vi que esteve no meu cantinho, e sei como foi penoso para si ler o registo que hoje lá deixei.
Quero que saiba que as minhas orações passaram a incluir, desde que tive o primeiro contacto consigo, um outro anjo: Alessandra Andreolla Feijó. Porque os anjos, apesar de caminharem de mão dada com Deus, também precisam que Ele orne suaves os escolhos do seu caminho.
Um grande, grande, grande abraço para si e que o seu Anjo a proteja sempre.

Cuecas no Varal disse...

Passando pra te deixar um abraço. Obrigada pela visita!!!
Te seguindo, querida!!!
Deus a abençõe.

Ma Ferreira disse...

Lisete!

Hj é a primeira vez que te visito e confesso que estou arrependida de não te-lo feito antes. Mas nunca é tarde.
Muito lindo seu trabalho.. e você também é uma linda menina.

Parabéns pela sua atitude de conscientização..
Bj

Ma

Anne Lieri disse...

Lisette,um excelente alerta especialmente as autoridades que deveriam seguir o exemplo de alguns paises e investir em leis e melhorias para diminuir os acidentes!Bjs e boa semana!

Mariz disse...

As pessoas não têm respeito no trânsito, na verdade não se respeitam como seres humanos, se a conscientização fosse geral, creio q amenizasse o q vem ocorrendo.

beijos querida e ótima semana prá vc!

cidinha disse...

Olá, Estou aqui conhecendo esse seu belo trabalho . que é o ONG Alerta. Realmente é alarmante ! È preciso maior concientização entre as pessoas. Pois são vidas em jogo!Sinceramente sinto pela sua filha e também pelas familias que perderam seus ente queridos.Obrigada pelo carinho da sua visita ao meu blog! estarei sempre por aqui!!Deixo o meu abraço e muita paz para vc..

Carla Fernanda disse...

Querida boa semana com amor, alerta e segurança.
Beijos,
Carla

Mimirabolante disse...

Terrível ver estas notícias,as estatísticas e etc.....
Amiga,pode copiar a minha postagem e postar ou enviar !!!!Mil bjcas

Priscilla disse...

Olá!
Passando para lhe desejar uma semana iluminada!
Beijos meus

Emília Pinto e Hermínia Lopes disse...

Oi Lisette. Aos poucos estou conseguindo pôr a minha correspondência em dia depois de um mês no Brail. Ainda ontem aqui, não muito longe de mim um carro de despistou, embateu num camião e os 4 ocupantes do carro morreram na hora. Os motivos? Podem se enumerar vários, menos as condiçoes da estrada que são boas. É triste, mas o ser humano tem que se consciencializar que, ao entrar num carro, tem muitas vidas em suas mãos e por isso tem de conduzir com o máximo cuidado. Um beijinho, amiga e até breve. Tem uma boa semana!
Emília

Maria Alice Cerqueira disse...

Querida amiga
Obrigada pelo seu apoio. Pois como eu sempre digo.
Com a sua presença,
Eu posso ir sempre mais além,
mas com sua ausência,
eu não serei ninguém.
Tem um selinho para você no meu cantinho
Que eu fiz com muito carinho.
Pode ir lá pegar se desejar.
Abraço muito Amigo
Maria Alice

ॐ Shirley ॐ disse...

Querida Lisette, minha alma se sente impotente diante dessa realidade e meus olhos se enchem de lágrimas ao ver as fotos de sua filha...Mas, vamos seguir com Deus no coração. beijo!

Everson Russo disse...

Um grande beijo de boa semana pra ti amiga querida..

Antônio Lídio Gomes disse...

Lisette, hoje estava assistindo pela tv, um ex-astro de futebol num programa esportivo como comentarista... Está lá dando seus pitacos...
Ele havia se envolvido num acidente com mortes...
Não é triste isso? Ou são coisas do Brasil da Impunidade?
A IMPUNIDADE NESTE PAÍS E SUAS LEIS TACANHAS, é a A AJUDANTE DA MORTE nas ruas e estradas!
Um abraço com carinho, desculpe o desabafo.