Translate

domingo, 29 de novembro de 2009

Brasília: Acidentes custam R$ 1,4 bi

Brasília: Acidentes custam R$ 1,4 bi
A população paga um preço alto pelas colisões e pelos atropelamentos com mortes nas vias do DF. A conta é do Ipea e leva em consideração a perda de produção das vítimas, os danos à propriedade e as despesas médico-hospitalares
A dor de perder um familiar em uma tragédia no trânsito não é mensurável em dinheiro. Mas a violência registrada nas ruas do Distrito Federal tem um custo para a sociedade e ele é muito alto. Desde o início da década até outubro deste ano, os acidentes com morte e as vidas perdidas pela imprudência nas vias contabilizaram, em média, R$ 1.444.280.275.
Apesar do volume bilionário, o montante gasto pela população neste período deve ter sido bem maior. No cálculo não foram considerados os acidentes sem vítimas nem as pessoas que sobreviveram aos desastres ocorridos na malha viária da capital. O motivo: o Departamento de Trânsito do DF (Detran-DF) não registra os acidentes sem gravidade.
O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) calculou o preço médio que a sociedade paga quando ocorrem acidentes de trânsito — com morte, com feridos e sem vítima. Os valores apontados pelo estudo Impactos dos Acidentes de Trânsito, divulgado em 2003, foram atualizados a pedido do Correio (veja quadro). Em média, cada desastre com vítima custa R$ 199,7 mil. E cada morte está orçada em R$ 151,7 mil. Por mês, em média 35 brasilienses morrem em tragédias nas vias. Isso significa prejuízo de R$ 53 milhões/mensal. Sem todos os acidentes, porém, não é possível traçar o panorama exato das despesas decorrentes das tragédias automobilísticas no DF. “Todos os acidentes são importantes, mas consideramos apenas quando há óbito. E os números no DF estão caindo”, afirma o diretor do Detran-DF, Cezar Caldas.
Para calcular o preço da violência no trânsito, os técnicos do Ipea levaram em conta gastos com a perda de produção da vítima (que parou de trabalhar ou ficou com a função inviabilizada por algum tempo), com danos à propriedade (pública, privada e a de terceiros), despesas médico-hospitalares (resgate, atendimento no pronto-socorro, reabilitação) e outros.
“Projetamos o tempo que uma pessoa que morreu ainda teria de trabalho e adicionamos os gastos previdenciários que o governo terá com aquela família, por exemplo. Cada caso é um caso. Os custos por acidentes e os por vítima têm naturezas diferentes, mas podem ser somados. É o resultado da realidade”, afirma o coordenador do estudo, o economista Marcelo Piancastelli.
Políticas públicas
O objetivo do trabalho, segundo o pesquisador, é contribuir para a elaboração de políticas públicas e planejamento estratégico para reduzir o número de acidentes, e consequentemente, os gastos da sociedade com isso.
O crescimento anual da frota de veículos, fomentado pela redução de impostos e pelas facilidades de pagamento, é apontado como vilão. “O aumento no número de carros não acompanha os investimentos feitos na segurança do trânsito”, analisa Piancastelli.
A opinião é compartilhada pelo doutor em segurança no trânsito e professor da Faculdade de Medicina da Universidade de Brasília (UnB) David Duarte Lima. Segundo ele, três medidas básicas são necessárias para garantir vias mais seguras: investir em engenharia e em educação de trânsito e incrementar ou mudar as estratégias de fiscalização. “Todos os motoristas sabem onde estão a maioria dos pardais”, garante. Ele ainda lembra que o uso do cinto pode reduzir em até 50% a quantidade de mortes.
O número
R$ 70 milhões
Valor arrecadado com multas pelo Detran entre janeiro e outubro deste ano
Palavra de especialista // Quanto custa a sua vida?
“Um dos motivos que levaram o Ipea a dimensionar os custos socioeconômicos dos acidentes de trânsito, ainda nos anos 1990, era sensibilizar autoridades e formadores de opinião quanto aos efeitos desses eventos na economia do país. Além dos prejuízos financeiros, vale lembrar daqueles não passíveis de medição, como o sofrimento da perda de um familiar ou o de quem sobrevive aos desastres com sequelas incapacitantes.
Falando em custos menos tangenciáveis, há outro a ser lembrado: o custo político da segurança no trânsito. É o custo relacionado a contrariar interesses dos que julgam poder ocupar o espaço público da maneira que bem entendem. É rever as prioridades dadas a algumas modalidades de transporte em detrimento de outras, mais vulneráveis e utilizadas por segmentos menos privilegiados.
A decisão pelo trânsito seguro implica, além de investimentos em fiscalização, engenharia e educação, menos demagogia e mais coragem para adotar medidas impopulares. Isto não costuma render votos fáceis, mas nenhum país desenvolvido logrou vencer a violência no trânsito com leis benevolentes, jeitinho e chicanas jurídicas.”
Victor Pavarino, pesquisador do Centro Interdisciplinar de Estudos em Transportes (Ceftru) da UnB
Efeitos do trabalhoAté outubro deste ano, o Detran-DF arrecadou R$ 70 milhões em multas. A despesa liquidada em engenharia de trânsito foi de R$ 35 milhões e em educação, R$ 9 milhões. Segundo Cezar Caldas, o trabalho está surtindo efeito. “Reduzimos o número de mortes e de acidentes ao mesmo tempo em que a frota tem um crescimento médio de 9% ao ano.
Temos melhorado muito desde 2004, quando a frota era de 775 mil veículos e tivemos 389 acidentes com morte. Com 40% a mais de automóveis nas ruas, registramos até agora 286 acidentes com mortes. É uma mostra das ações de fiscalização, engenharia e educação”, argumenta.
Na avaliação de Davi Duarte Lima, da UnB, a receita arrecadada pelo órgão é mais do que suficiente para reduzir pela metade a mortalidade e o número de feridos no trânsito.
Ele critica os métodos adotados pelo Detran:
“Alguém muda o comportamento vendo propaganda na TV?”
(....)
Fonte: (Correio Braziliense - 29/11/2009)

19 comentários:

ONG ALERTA disse...

Custam caro porque os orgaos competentes nao fazem nada para diminuir o indice de acidentes neste pais, se colocassem redutores de velocidade nos piores pontos de estradas e tivem maio fiscalizacao o custo seria no minimo pela metade!

Lisette Feijo disse...

Vale destacar:
Falando em custos menos tangenciáveis, há outro a ser lembrado: o custo político da segurança no trânsito. É o custo relacionado a contrariar interesses dos que julgam poder ocupar o espaço público da maneira que bem entendem. É rever as prioridades dadas a algumas modalidades de transporte em detrimento de outras, mais vulneráveis e utilizadas por segmentos menos privilegiados.
A decisão pelo trânsito seguro implica, além de investimentos em fiscalização, engenharia e educação, menos demagogia e mais coragem para adotar medidas impopulares. Isto não costuma render votos fáceis, mas nenhum país desenvolvido logrou vencer a violência no trânsito com leis benevolentes, jeitinho e chicanas jurídicas.”
Mas ninguem quer saber de fazer algo...

Pelos caminhos da vida. disse...

Bom dia, dia!

Você está a bordo de um novo dia.
Diga: bom dia, dia!
Bom dia, vida!
Bom dia, sensibilidade!
Bom dia, fé!
Bom dia, coragem!
Bom dia, talento!
Bom dia, trabalho!
Bom dia, alegria! Bom dia, felicidade!
Bom dia pra você!


Tem muita coisa boa para você aproveitar.
Há sensações que vem de dentro e que precisam ser colocadas para fora.
Há sensações que vem de fora que precisam ser interiorizadas.

Esteja aberto e pronto para emitir sinais. E também para captar o que está no ar.
Se o caminho que você planejou é muito longo, não se desespere com a distância que ainda falta para chegar.
Concentre-se no próximo passo. Ou mesmo no primeiro passo.

Hoje você pode comecar algo novo que vai levá-lo muito longe.
Inicie algo hoje nem que seja uma mudança.
Se você resiste a mudanças tenha ao menos desculpas novas para dar pelo que você deixa de fazer.

Tenha atitudes simples, mas honestas.
O início de qualquer coisa nova para sua evolução, pessoal, espiritual ou profissional, começa aí dentro de você, silenciosamente, enquanto organiza seus pensamentos para mais um dia.
Está no ar uma nova manhã...
Um novo dia...
Uma nova semana...

(texto tirado da net).

beijooo.

Cadinho RoCo disse...

O que temos hoje no Brasil é uma espécie de inversão de valores quando percebemos altíssimos investimentos em propagandas daquilo que é, mas que na realidade não é o aprsentado em linguagens e imagens sensacionais.
Cadinho RoCo

Silvia disse...

O que acontece no Brasil , acontece em todo o mundo.
As pessoas não têm cuidado e não fazem para ter.
Infelizmente, é assim a nossa sociedade.

Chica disse...

Custos altíssimos e o retonrno pouquíssimo...Boa semana, com menos tragédias,beijos,chica

Marlene Maravilha disse...

Foi uma honra receber tua visita no meu humilde espaco.
Como tenho filhos, entendo e vivo a tua dor, assim como também admiro-te por encontrares a forca para superar as tragedias que nos assolam. Deus é contigo!
Venha mais vezes, será um imenso prazer te receber!
Volto aqui com mais calma para ler com atencao.
beijos e uma semana de vitórias!

sandra Freitas disse...

A conta é muito alta...bem mais que os dados podem apresentar..
Mais Alerta nas vias, mais Alerta na Vida.

Semana rica em boas notícias...

Bjos

Mariana disse...

A conta alta, ou seja altíssima não é somente em Brasília, é em todo o país, pois prevenção e valorizar a vida é algo que infelizmente é desvalorizado.

Fernanda Guerra disse...

Custam, mas e os impostos que pagamos que nao tem fim aonde ficam/??

Ricardo Calmon disse...

Olá Lisette:

Mui agradecido pela energia emanada e a solidariedade em forma flor!

Te abraço!

Viva Vida!

manuela baptista disse...

Lisette

deixo aqui um abraço solidário, com a sua luta e com a sua coragem!

Manuela Baptista

Gaivotadourada22 disse...

Sou solidaria nesta luta... O Ser Humano tem que urgentemente acabar com todo tipo de violência, com todo tipo de falta de amor... Precisamos fazer nossa parte e Ong Alerta está inserida nesta busca!!!
Que a Paz nos corações gere mais Paz...

Antonio Paulo disse...

Temos que ver que em se tratando de ajudar a salvar vidas vale a pena investir. Fazer da matéria educação no trânsito uma obrigação nas escolas.

Cris Marques disse...

Agradeço sua visista ao meu blog!

Importante trabalho que vc tem aqui... A informação é uma ferramenta valiosa na prevenção de acidentes e ajuda a evitar muitas dores.

Força! Fique com Deus!

Simone disse...

Amei!!! Tudo... todos os sentimentos e toda a iniciativa. Parabéns! Seguindo e divulgando. Obrigada pela visita! Abraços

Lu Citadin disse...

Respeito a vida!!!!!

Elaine Barnes disse...

A riqueza está aí por toda parte, a sabedoria tb(qualquer criança pequena já sabe ler e escrever)só falta amor pra dividir tudo isso. falta patriotismo e responsabilidade com tantos impostos pagos por nós. Sem respeito e segurança vamos caminhando assistindo os políticos corruptos"comprarem panetones anunciados" Parabéns pela tua luta. Por a boca no "trombone" e gritar mesmo! bjão

O Profeta disse...

Porque será que os pássaros
Cantam na partida do dia
Porque será que um amante ausente
Fica de alma apertada, vazia?

Porque será que as ondas lamentam
Em sussuros de sal no areal
Porque será que as rezas são feitas
Para correr para o longe o perverso mal?


Boa semana


Doce beijo