Translate

domingo, 15 de julho de 2012

Para especialistas em trânsito, mudança não virá a curto prazo


Psicóloga diz que campanha da CET é ineficaz. Diretores de educação no trânsito explicam como é desafiador mudar os hábitos da população
Mudar hábitos de pedestres e condutores tem sido um desafio para a cidade de São Paulo. Diante dos alarmantes índices de mortalidade no trânsito, com 19 pessoas atropeladas por dia e 630 mortes no último ano, segundo dados da Companhia de Engenharia e Tráfego (CET), a prefeitura colocou em prática a campanha de respeito à faixa de pedestres. A partir disso, o iG ouviu especialistas e foi em busca de cidades em que o pedestre é respeitado - graças a programas educacionais ou intensa fiscalização.
A psicóloga e neuropsicanalista, Eliana Nogueira do Vale, explica que o primeiro passo de uma campanha efetiva, que envolva mudança da população, é colocar as partes envolvidas em um cenário positivo. “É necessário mostrar aos pedestres e condutores como eles são importantes para fazer o ambiente funcionar”.
Buscar uma convivência melhor entre as partes é algo necessário, explica Eliana. Porém, o tempo que isso pode levar precisa ser considerado. “O processo de reeducação, exige uma modificação mental com uma reprogramação do cérebro para a criação de uma nova memória”. Isso demanda tempo e pode variar para cada ser humano. “Depois de uma ação ser repetida várias vezes, se torna mais fácil até virar um hábito”, conta.
Para Eliana, a atual campanha da CET é “ineficaz e não produzirá resultados a médio prazo”. Muitos ensinamentos que aprendemos são por imitação e pressão social. Diante disso, a campanha necessita ter maior impacto local. Já na segunda fase do programa, a CET atua em 1% da cidade – nas consideradas Zonas de Máxima Proteção ao Pedestre.
“Não dá para prever quando a massa irá aderir novas atitudes, seja de forma repressiva ou não. Com o correto investimento, será desenvolvida a consciência com ‘C’ maiúsculo”, brinca. E foi exatamente o que aconteceu na cidade de Brasília, no Distrito Federal, segundo o professor da Universidade de Brasília (UnB) e presidente do Instituto Brasileiro de Segurança no Trânsito (IST), David Duarte Lima.
“Ficou entendido que o uso correto da faixa de pedestre tem ligação direta com a qualidade de vida e segurança. Independentemente de ordem de governo ou polícia. Isso é bom para todos”. Segundo o professor, o ponto mais interessante foi como a população incorporou a campanha. “A partir do momento que você desce do carro, passa da condição de motorista para pedestre. Todos nós somos os dois personagens em algum momento”, diz.
Lima explica que a fiscalização com aplicações de multas é necessária, porém possui efeito rápido. “O caminho educativo é um processo longo, mas com efeitos mais duradouros”. Concordando com a psicóloga Eliana, o professor ressalta que com o hábito a própria pessoa passa a se fiscalizar. “Cada um é o seu próprio agente de trânsito”, conclui.
O ponto interessante ao comparar São Paulo com outras cidades é perceber que, segundo autoridades de trânsito, tanto Brasília como São José dos Pinhais, cidade da região metropolitana de Curitiba, apresentam baixos índices de mortalidade no trânsito pelo “constante monitoramento das condições de tráfego”.

Fonte: http://ultimosegundo.ig.com.br/

26 comentários:

ONG ALERTA disse...

Campanhas começame terminam e o tränsito náo para nunca...campanhas para funcionarem devem ser permanentes.
Educaçáo é a soluçáo.

LUZ disse...

Olá Lisette,

Lisette ou Alessandra?
Sem dúvida querida, tem razão na sua afirmação, aqui deixada, nos comentários. De qualquer jeito, é necessário começar por algum lado, né?
A consciencialização levará séculos a se conseguir.

Boa semana. grata por teu comentário.

Beijinhos da Luz.

Sónia M. disse...

"Educação é a solução", sem dúvida e pessoas como a Lisette fazem toda a diferença.

Bom inicio de semana
Beijo
Sónia

Everson Russo disse...

Infelizmente tudo que é essencial nunca virá a curto prazo...beijos amiga e uma bela semana pra ti.

Cancer de Mama Mulher de Peito disse...

Mudanças na maneira de agir, no Brasil, só nascendo de novo.
Se não for possível, mães, pais e educadores, dando o exemplo desde pequeno.
Faça o que eu mando, e não o que eu faço fica difícil.
Uma boa semana Lisette.
Bjs.
Wilma
www.cancerdemamamulherdepeito@blogspot.com

Pelos caminhos da vida. disse...

Vim te desejar um bom dia amiga, aproveitando que o Gabriel está dormindo.

beijooo.

Liz - Como as Cerejas da Minha Janela... disse...

Eu já acho que algumas medidas tomadas foram certeiras para a melhoria no trânsito, principalmente aqui em SP. O controle excessivo de velocidade, radares espalhados por todos os cantos, por exemplo. Já não vejo mais tanto aquelas pessoas desvairadas, querendo passar por cima dos outros a qualquer custo e buzinando e xingando. Esta é uma cena que diminuiu muito por aqui. As multas chegam mesmo, uma atrás da outra, e caríssimas, e tiram a carteira mesmo. Meu marido, que respeita muito o trânsito, chegou a perder a carteira, por passar muito em sinal amarelo. Agora, ele controla mais ainda a velocidade. Então, acho que estamos tendo resultados, sim. Precisamos ser um pouco otimistas. É lento, mas está dando certo, sim!

Beijos, querida!!

Regina Rozenbaum disse...

Concordo por completo! Nunca consegui entender que campanhas sejam pontuais...AIDS? Em tempos de carnaval. Uso do cinto? Em tempos de feriados ou férias. E assim por diante. Será Lisette que conseguiremos e-du-car permanentemente??? Tenho minhas dúvidas.
Beijuuss com o desejo de uma semana em paz

O Árabe disse...

Com certeza, Lisette, mudar hábitos é um grande desafio. Mas precisamos vencê-lo! Boa semana, amiga.

VILMA PIVA disse...

Algumas medidas estão dando resultados, mas temos muito pra melhorar o trânsito. Beijos e feliz semana, amiga!

Janaína Pupo disse...

Ótima semana, querida.
Beijo

Kellen Bittencourt disse...

Tudo é uma questão de persistência, se as campanhas persistem uma hora elas vingam, o problema é que muitas vezes elas começam e não se sustentam, dai todos esquecem! Bjinhos

Flor de Jasmim disse...

As campanhas não devem terminar, devem continuar para ajudar a mudar os maus hábitos para melhorar a qualidade de vidas das pessoas.
Boa semana querida amiga.

Beijinho e uma flor

Ane disse...

É,Lisette,só funciona se houver fiscalização constante,aí com o tempo todos aprendem!Um abraço e boa semana!

Bandys disse...

É Lizette educação e punição.

Beijos

Lilá(s) disse...

Educar permanentemente é necessário, leva tempo para as pessoas mudarem seus hábitos.
Bjs

Sônia Silvino (Crazy about Blogs) disse...

Oi, Lisette!
Tudo bem?
Põe a longo prazo nisso. Conscientização é um processo demorado. E nem todo mundo está interessado.
Beijocas!

Luciana Santa Rita disse...

Oi Lizetti,

Tudo bem? Hoje mudaram o trânsito da minha cidade (Maceió), sem um mínimo de respeito e pensei para que especialistas que incompreendem até informações.

Lu

Lorena Viana, disse...

Querida, eu particularmente ainda acredito que as campanhas para uma melhoria no transito, são fraquíssimas.
O Derpatamento era pra está em constante vigilância. A mídia deveria incentivar ao máximo. E não pode ser só determinado tempo, tem que ser sempre!!!

Beijinhos carregado de carinho!
Uma maravilhosa terça-feira.
Lorena Viana

Graça Pereira disse...

Ainda não vi nenhuma campanha -seja do que for - que dê resultados rápidos.
Beijo e resto boa semana.
Graça

Elisa T. Campos disse...

Lisette
Só a educação permanente no trânsito pode minimizar acidentes que vemos diariamente nesta grande metrópole.

Uma linda semana para você.
Bjs.

Sandra Botelho disse...

A burocracia no Brasil só não existe quando se vota o salario dos politicos...É triste isso. Bjos achocolatados

Anne Lieri disse...

Lisette,no final tudo é uma questão de se colocar no lugar do outro,mas aos poucos o paulistano vai incorporar novas atitudes!Bjs,

Vera Lúcia disse...

Olá Lizette,

Creio que as campanhas devem ser ininterruptas. Acabam produzindo resultados, embora num processo lento. "Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura".

Beijão.

Pérola disse...

A educação é dificil e só com leis não conseguimos o que se pretende.
beijinho.

Lu Nogfer disse...

É verdade Lisette!
Educação é a solução!É preciso mesmo que as campanhas persistam para que quem sabe todos se conscientizem!

Beijos!