Translate

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO

Juntamente com as comemorações da pátria e a primavera, setembro também traz algo mais. Temos atualmente, a semana nacional do trânsito. É um tempo de conscientização da população para o trânsito. E a questão é muito importante, visto o número fantástico de acidentes que ocorrem todos os dias, em todas as cidades brasileiras.
A educação deve começar cedo. A impressão que temos é que o indivíduo só começa a se preocupar com as informações sobre trânsito quando está na época de “tirar a carteira de motorista”. Aí, é aquele corre-corre, aulas teóricas, legislação de trânsito, aulas práticas, tudo muito rápido porque precisa da carteira. Aprende-se tudo de uma vez, tudo decorado, coisa que muito rapidamente se esquece.
Realmente, o trânsito faz parte de nossas vidas. Mas, infelizmente, a importância dada a este assunto não parece tão grande. Todos os dias assistimos reportagens na TV sobre acidentes no trânsito. Fala-se que aumenta a cada dia a quantidade de mortos, mas, tudo continua na mesma.
Nós já nos habituamos a ouvir, nos noticiários, sobre os acidentes, mas não conhecemos aquelas pessoas que morreram e então, tudo fica no esquecimento. Dentro de poucos segundos, já não sabemos mais sobre o que o repórter falou.
Pessoas morrem todos os anos, principalmente nos feriados prolongados. A pressa de chegar, a bebida alcoólica ingerida momentos antes de dirigir, a desatenção ao volante, os carros em péssimas condições de uso, estradas esburacadas, enfim, tudo leva a acidentes horríveis, muitas vezes, com crianças sendo vítimas de adultos irresponsáveis. E aí eu pergunto: o que falta? Educação no trânsito? Começar a ensinar sobre trânsito bem cedo?
A sociedade está preocupada com este tema. O aumento do número de veículos nas ruas também é assunto preocupante. Algumas cidades já atingiram um número absurdo de veículos nas ruas. O problema é que muitas cidades não estão preparadas para suportar esta mudança. Este grande número de veículos causa uma desenfreada corrida na formação de novos condutores, o que pode acarretar um número maior de novos motoristas, sem muita experiência, conduzindo veículos pelas ruas.
E, para piorar, esta crise aérea, que fez muita gente deixar os aviões e pegar a estrada de ônibus ou no próprio carro. Seria ótimo se todos, ao tirar seus carros da garagem pensassem em levar mais pessoas, ou seja, levar o amigo, parente, colegas de trabalho, de colégio, enfim, aumentar o número de pessoas nos veículos, diminuindo o número de carros nas ruas, com uma só pessoa. Até o meio ambiente ganha com isso, visto que diminuirá os gases poluentes.
Muito tem se falado na segurança para as crianças, mas hoje em dia, até as calçadas estão representando perigo. Não é raro ouvir nos noticiários: “atropelada criança na calçada” ou “atropelado no acostamento”. É uma verdadeira guerra urbana, onde os carros, para alguns, representam liberdade e status e, de vez em quando, são usados de forma irresponsável, por motoristas bêbados ou com muito sono ao saírem das baladas.
Não basta sinalizar as vias públicas, ou colocar radares nas avenidas, é preciso educar para o trânsito. Os pais, ao saírem de casa com seus filhos no carro, devem agir com responsabilidade, respeitando as leis do trânsito e passando isso aos seus filhos. Sem dúvida, nosso comportamento influencia as crianças e, todos nós, em dado momento, somos pedestres também e, algum dia, mais cedo ou mais tarde, nossos filhos serão condutores de algum veículo e estarão sujeitos a vários perigos.
Sabemos que o exemplo vindo do adulto vale mais que muitas palavras e as crianças têm facilidade em aprender o que vêem. Portanto, temos que deixá-las ver apenas o que é correto. Nossas atitudes são copiadas pelos nossos filhos, então, não é difícil educar para o trânsito, basta nós mesmos pararmos de infringir as leis.
É necessário por um fim a esses acidentes diários, pois com isso, muitas vezes, perdemos futuros médicos, cientistas, atletas, ou futuros presidentes, de forma estúpida, em situações que, de modo geral, poderiam ser evitadas.
Por: Sonia das Graças Oliveira Silva

31 comentários:

ONG ALERTA disse...

Vivemos o transito apartir do momento em que saimos de casa, educaçáo é fundamental para mudança de comportamento.

Bruxa disse...

Educação é tudo, em todos os aspectos.
Onde moro, no final de semana, vemos "a molecada" tanto em moto qto carros, passando em alta velocidade na rua, dando cavalos-de-pau, empinando motos... Isso pq no domingo, várias crianças ficam na rua brincando e vários donos passeiam com seus bichos.
É tudo "muito divertido" pra eles, até o dia em q um acidente fatal ocorrer.

Sempre me pergunto, onde anda a família desses jovens que não orientam e não ensinam?

Abraços e ótima semana.

#*Marly Bastos*# disse...

Ainda falta muita coisa para o trânsito ser educado, a começar pelas pessoas que extravasam nele todas as suas mazelas e raivas e por isso há tantos acidentes.
Educação em todos os sentidos e em todos os setores da vida, seria o casamento perfeito com a educação com o trânsito, já que nele se tem o reflexo da falta dela.
bjks doces e boma semana Lisete.

ValeriaC disse...

Educação no trânsito, sempre!!! E quanto mais cedo, melhor, mais se reforça sua importância e conscientização.
Boa semana, beijos,
Valéria

Orvalho do Céu disse...

Olá, querida Lizette
Sábado mesmo quase presenciei um acidente a um palmo do nosso carro... por nada...
Post muito bom!!!
Nos falta educação pro trânsito...
Deus te cubra de bênçãos e te faça muito feliz!!!
Bjs festivos de paz

Janaína Pupo disse...

Querida, boa semana. Volto depois com mais tempo.
Beijos

Ana Bailune disse...

Olá! É preciso educação, e também a conscientização daqueles que usam os veículos de que eles não são imortais! E nem as demais pessoas.

Zéza disse...

Oi querida! Vim agradecer a sua visita e avisar que já atualizei! Estou esperando sua visita!! Beijos azuis!

... Morgana disse...

Olá miguxinha! Muito obrigada pela visita ao meu blog! Esse seu cantinho é muito bom! Beijos cintilantes. Morgana

lucidreira disse...

É claro que seu texto diz com toda a razão que deverá ser prioridade a educação do transito.
Isso deveria acontecer em tempo integral o ano todo, só assim poderíamos ver fazer valer e serem respeitadas as leis.
Abraço

lenalima disse...

Nossa amiga , as vezes me pergunto onde vamos parar com todo esse transito, cada vez mais carros na rua , estradas que não comportam mais, e projetos que não são concluidos nunca.
vamos ver como ficamos!
bjss

Eu...Suzana disse...

Precisamos de educação e leis mais rígidas. PS: olhei o video Vidas Ausentes. Muito emocionante e triste para quem perdeu um filho amado. Recomeçar a viver e ter que viver a custa de lembranças que jamais se apagarão, é muito dificil no dia a dia e só quem passa por isso sabe o quanto é doloroso. Uma semana abençoada e cheia de paz prá ti e tua familia Lisette. Beijos!!

Renata Diniz disse...

Oi Lisette. Por aqui também tenho ouvido muita notícia de pessoas atropeladas nas calçadas. Uma lástima ainda maior. Beijos.

Lua Negra disse...

Educação e discernimento são fundamentais no transito e na vida.
Beijinhos de estrelas.
Lua.

Luciana Santa Rita disse...

Oi Lisette,

Tudo bem? O texto é pedagógico e real, ou seja, tudo é mudança comportamental, pois o resto é atenção.

Beijos.

O Árabe disse...

Belo tema para discussão, Lisette; a educação para o tränsito é cada vez mais essencial para a vida! Boa semana, amiga.

Cancer de Mama Mulher de Peito disse...

O respeito ao transito deveria coisa natural, sem que para isso fosse preciso ter uma semana do transito, e coisas como tais.
Bj.
Wilma
www.cancerdemamamulherdepeito@blogspot.com

soninha disse...

E a educação começa em casa,precisamos ter consciência de que trânsito mata...

Brisa da Manhã disse...

Olá! Você sempre com maravilhosos posts! É muito bom vir aqui! Obrigada por sua visita! Beijos suaves da Brisa da Manhã

Pollyanna Monteiro disse...

Que alegria receber comentários e, com eles, o carinho dos amigos! Muito obrigada por sua visita! Graça e Paz! Beijos no seu coração. Polly

Anpara disse...

Olá! Passando para agradecer a visita ao Filosofando! Muito bom o post!Saúde e Paz. O resto a gente corre atrás! Bjs Ana Paula

✿ chica disse...

TOmara nem mais se precisassem campanhas.Fosse natural isso! beijos,chica

Flor de Jasmim disse...

Querida perdi um amigo que ia no passeio a pé e um carro a fazer uma curva em alta velocidade subiu o passeio e matou-o contra as casas, a condutora nada sofreu, continua na estrada.

Beijinho e uma flor

Anne Lieri disse...

Lisette,mais um excelente alerta para a sociedade!Sem dúvida a educação para o transito é tudo,tanto nas escolas quanto pelos pais!bjs e boa semana!

Leninha disse...

Desde a mais tenra infância estes conceitos deveriam ser transmitidos e em casa, os pais deveriam ensinar aos filhos o respeito às leis, dando sempre o exemplo de uma postura correta perante as mesmas.

Bjsssssss,
Leninha

Evanir disse...


Como estava um pouco afastada estou tentando voltar aos poucos
novamente tentando digerir o desconforto que estou passando no momento.
Eu não posso parar muito menos desistir de lutar como sempre fiz.
E a amizade nos da força sempre para continuar nossa jornada.
Nessa rapida visite convido você a ler minha postagem
também dizer se gostou do novo visual da nossa Viagem.
Linda noite beijos no coração,Evanir.

Bia Jubiart disse...

Boa noite Lissete!

Excelente texto/reflexão! Agora a educação básica já é "capenga", imagine a de trânsito!

Bella, tem um comentário esquisito seu, lá na Jubiart, é seu ou é vírus? Não entendi... Ou sou devagar rsrsrs.

Beijooooooooo

Lu Nogfer disse...

É!Esse pais esta precisando se educar!Acontecem barbaridades por aí

Belo post!

Beijos

Vera Lúcia disse...



O texto foca um aspecto importante, que a exemplificação dos pais. Pelo meno menos os futuros condutores de veículos já teriam uma maior consciência no trânsito.

Enquanto isso, as campanhas devem continuar até que sejam assimiladas.

Beijo.

Anônimo disse...

Soma-se a imprudência, a ingestão de álcool mais a confiança nos nossos carros inseguros, tem-se uma triste resultante: vítimas.
Os nossos carros inseguros:
Recentemente, tive a infelicidade de presenciar a morte de duas pessoas carbonizadas após colisão frontal entre dois automóveis. As chamas propagaram rapidamente consumindo um dos autos, vide foto, abaixo, em poucos minutos. Trabalhando há 30 anos como engenheiro químico, especializado em materiais – plásticos e borrachas, venho aqui denunciar que os testes de combustibilidade destes materiais plásticos e borrachas, feitos em laboratórios, nunca se aproximam de uma situação real. As borrachas são compostas por elastômeros e aditivos óleos minerais, sendo que estes últimos são altamente voláteis e combustíveis. E no Brasil o mercado de reposição( mercado paralelo) desconhece as normas de combustibilidade dos materiais. Os plásticos, mesmo os mais resistentes à propagação da chama, com aditivos antichamas, amolecem e derretem(gotejam) e acabam contribuindo para ampliar a área de queima(combustão) e depois passam ser combustível, acentuando a queima pela elevada taxa de evaporação do álcool. Os carros populares não possuem corte de combustível em caso de colisão, o que faz com que a bomba de combustível trabalhe , envie combustível e continue a alimentar as chamas; neste caso, as chamas chegaram a mais de 3 metros de altura. As engenharias buscam fazer autos mais leves, chapas de aço finas com objetivos de redução de peso(economia de combustível), redução de custos e energia de impacto. Cabe lembrar que as chapas têm que ter um mínimo de espessura pelo menos para suportar após a colisão uma estrutura suficiente para impedir a total desintegração do veículo. Nos carros populares no Brasil sentimo-nos como se estivéssemos dentro de uma lata de alumínio (refrigerantes), face à facilidade com que se amassam e se mutilam. No Brasil o carro popular custa muito caro, a margem de lucro é altíssima e nossas autoridades pouco cobram sobre a melhoria da segurança veicular. Os nossos automóveis são os mais caros do mundo. O lucro está acima da preservação da vida e se pessoas como eu não continuarem a insistir em divulgar nos meios de comunicação estes elementos e cobrar melhorias poucas coisas serão feitas ou se levará muito tempo para corrigi-las. Abaixo, acrescento uma normalização do Contran. Veja o absurdo a que ponto chegou. Estes Dados estão na Internet, fabricante de material plástico para interiores dos automóveis. Em termos mundiais, o crescimento anual dos aditivos antichama é de cerca de 8-10% devido às grandes exigências impostas pelos órgãos governamentais em determinadas aplicações. No Brasil, o consumo ainda é considerado muito pequeno, pela inexistência de leis que regulamentem e exijam a utilização eficaz. Por exemplo, na indústria automobilística a exigência para a velocidade máxima de propagação do fogo nos revestimentos internos é de 80 mm/min. nos países desenvolvidos; esta exigência no Brasil, pelo Contran, é de 250 mm/min. Tenho assistido a inúmeros vídeos de veículos pegando fogo. Normalmente um carro popular quando inicia a chama na parte frontal do veículo leva aproximadamente 3 minutos para atingir sua parte interna (painel) e mais 4 minutos para concluir toda a combustão interna, ou seja: após 7 minutos o tanque já está em combustão. Estatísticas de Incêndios no Estado de São Paulo Corpo de Bombeiros Automóveis = 76 % Outros = 24% Fonte: A importância do Extintor veicular • Nonos Prevenção Online Quanto à resistência a colisão o Brasil todo já conhece o CRASH TEST e são poucos que cobram melhorias das performance quanto à preservação estrutural e/ou mesmo reforços estruturais e projetos mais seguros. Compra-se automóvel por beleza, luxo e design, etc., mas não se compra pensando em segurança.

JORGE ALMADA



Toninhobira disse...

Estamos vivendo a era do transito com todas suas armadilhas cada vez mais ativas.Semore há uma desculpa para os inumeros acidentes,quando na realidade é uma só, as pessoas não estão olhando para o veiculo como uma arma,tão perigosa como um revolver.Os numeros assustam Lizette,mas o que mais causa indgnação é ver o uso de alccol por condutores inclusives diante de cameras de televisão e ainda se julgam os capazes.Este acidente na Bahia de uma familia que viajava para sepultamento da mãe é outro exemplo desta coisa,eles viajavam de Sao Paulo para Bahia sem descanso e com pressa de chegar e morreram todos os quatro quando faltavam 50 Km para chegar,pode uma coisa desta? Quem os seguia outros da familia tambem em numero de 4, disseram que ele cochilou.
Lamentavel amiga.Não é só uma semana e sim uma campanha massacrante com a dos cigarros, para amenizar e os casos de transito que levam vidas.
Belo sempre seu trabalho pela paz e educação no transito,que assino com voce e que Deus nos proteja destes.
Um carinhoso abraço.