Translate

sábado, 21 de setembro de 2013

Beber e Dirigir: Treinamento de policiais para obter provas














O Brasil ainda está em uma fase anterior em relação aos países mais desenvolvidos na legislação de trânsito e sua aplicação, lembra Pechansky. Ainda se discute a validade e a legalidade de se implantar determinados mecanismos de controle e punição dos motoristas alcoolizados.

A questão do depoimento policial como prova da embriaguez do condutor, por exemplo, é um dos aspectos mais discutidos. Quanto aos alcoólatras, a vantagem nos países de legislação mais avançada é que muitas vezes se oferece a opção do tratamento, que pode também ser compulsório.

O Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas (Cpad), localizado no Hospital de Clínicas de Porto Alegre e sob a direção de Pechansky, já treinou 3 mil policiais rodoviários brasileiros para capacitá-los na identificação e no registro mais apurado de casos de embriaguez ao volante, possibilitando a obtenção de provas mais robustas.

Outros 2 mil deverão passar pelo curso, em uma parceria com o governo federal. Em 10 e 11 de outubro, o Simpósio Internacional sobre Drogas, Álcool e Trânsito (Sidat) debaterá esse mesmo assunto, reunindo especialistas do Brasil e Exterior na capital gaúcha.
QUANDO É DEPENDÊNCIA
A medicina trabalha com critérios para diagnosticar casos de dependência de qualquer tipo de droga
- Essa inovação no diagnóstico ocorreu na década de 1980 e pode ser aplicada em qualquer indivíduo. Alguns desses critérios são:
PERDA DE CONTROLE
- Desejo incontrolável de consumo.
TOLERÂNCIA
- Necessidade de consumir doses maiores para obter o mesmo efeito de quando se bebia doses menores.
SÍNDROME DE ABSTINÊNCIA
- Surgimento de sintomas físicos e psíquicos quando o consumo é reduzido ou interrompido.
TENTATIVA DE EVITAR A SÍNDROME DE ABSTINÊNCIA
- Busca pela bebida para não sentir os sintomas da abstinência.
CONSUMO DE BAIXO RISCO
- Consumo de baixo risco é aquele cuja ingestão de determinadas quantidades de álcool que não causa dependência. Para os homens, essa quantidade significa 14 doses por semana e não mais que quatro doses por ocasião. Já para as mulheres, 12 doses por semana e apenas duas por evento. Uma dose corresponde a 10 gramas de álcool, o equivalente a uma latinha de cerveja ou uma taça de vinho bem servida.
Fonte: Fonte: Hospital Albert Einstein (SP)


COMO É LÁ FORA
O controle e a punição a motoristas embriagados em outros lugares do mundo AUSTRÁLIA
Na saída das boates, é possível assoprar em um tubo na parede para identificar o grau de álcool no sangue em um aparelho. Beber e dirigir é considerado uma vergonha tamanha que deixar alguém sair de casa embriagado para pegar a direção é muito malvisto. A folha de registro de infração da polícia australiana é mais completa do que a brasileira, já que o nível de treinamento do policial de rua ou rodoviário permite maior detalhamento na notificação do acidente, na identificação do que ocorreu.
CANADÁ
Policiais cobram a multa de trânsito na hora. Não é aberto um processo com possibilidade de recurso, como no Brasil. Além da cobrança, o motorista canadense é penalizado no seguro do carro, que no ano seguinte sobe de preço por causa da infração.
SUÉCIA
Em lugares como Suécia, Dinamarca e Noruega, toda viatura tem bafômetro, e qualquer policial rodoviário é treinado para identificar provas que não dependem do aparelho. Um policial que suspeita que o motorista está sob efeito de alguma substância pode solicitar ao condutor que caminhe em linha reta, levante uma perna etc. As provas clínicas são suficientes, pela lei, para notificar o motorista como intoxicado, mesmo que sequer se saiba qual foi a droga utilizada.
ESTADOS UNIDOS
O país conta com as Drug Curts – as Cortes de Drogas. Elas funcionam da seguinte maneira: uma pessoa pega embriagada depois de um acidente é identificada como alcoólatra. Ela recebe duas opções: fazer tratamento ou ir para a cadeia. Para aumentar a pressão sobre o infrator, a cadeia fica ao lado da corte. Durante o tratamento, a pessoa é submetida a exames de urina que apontam se está “limpo” ou recaiu.
Além disso, em alguns Estados americanos pessoas com problemas com álcool são obrigadas a ter um bafômetro no carro. Antes de ligar o carro, o motorista deve soprar o bafômetro, senão a ignição não se completa. Durante o percurso, o condutor é solicitado a soprar outras vezes, sob pena de o motor desligar.
JAPÃO
Um motorista embriagado que atropela uma pessoa, causando sua morte, pode ser condenado, de cara, à pena de prisão perpétua. Depois, recursos podem reduzir a condenação, mas o impacto da pena costuma inibir esse tipo de ocorrência por deixar claro que a margem para escapar da punição é mínima.
Fonte: Fonte: Flavio Pechansky, diretor do Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas (Cpad)
Zero Hora 21/9/13


43 comentários:

✿ chica disse...

Tomara possamos chegar perto dos outros países nesse quesito! beijos, linda primavera pra ti e teus! chica

ONG ALERTA disse...

Esta na mais do que na hora do governo investir em segurança e educação no trânsito, não acredito apenas em campanhas que começam e terminam o cuidado é diário....

Dorli disse...

Oi amiga
Alguma coisa de concreto tem que ser feita. Espero que não virem a página do " caderno "
Fique em paz
Beijos
Lua Singular

Tamires disse...

Muito interessante!

Cidinha disse...

Olá, Lisete. Bom dia! òtimo domingo de primavera. Deixo paz e alegria no seu coração. Eu também espero um dia que possamos chegar próximo a outros países e assim haverá respeito a vida! Bjos.

© Piedade Araújo Sol disse...

sempre alerta!
obrigada pelas suas pegadas no meu maresias.
boa semana.
beijos

Celina disse...

Uma boa semana para todos, falta o Brasil se interessar criando novas regras para um dia com certeza melhorar o nosso trânsito. Um abraço fraterno , obrigada pelo comentário.Celina,

Vane M. disse...

Estive mais cedo lendo a postagem... que a conscientização e a justiça andem de mãos dadas e cheguem ao Brasil em breve. Um abraço!

Profª Lourdes disse...

Olá, querida , passei para agradecer sua visita, me desculpar pela demora pra está aqui, período de provas quase não me sobra tempo para o blog, mas sempre que possível, estou aqui com carinho.Alessandra, mais uma informação importante que postas no seu espaço, parabéns!!
Existe somente um momento para ser feliz. Esse momento é o PRESENTE, e tem duração do instante que passa. Aproveite todos os momentos da sua vida e seja muito feliz.
Abraços da amiga Lourdes Duarte
http://professoralourdesduarte.blogspot.com.br/

REINVENTANDO disse...

O Brasil precisa aprender e muito com as experiências de outros países.
Abraços.Sandra

Elisa T. Campos disse...

Oi Lisete

Obrigada por esta postagem. Desconhecia os rigores do trânsito com relação aos outros países.

Linda semana que se inicia para você.
Bjs.

.•♫•. Nancy .•♫•. disse...

Hello !!!
Je découvre ton blog et j'en suis ravie !
Merci pour ta visite sur mon petit blog !
BEIJOS :o)

Pérola disse...

Há sempre tanto para fazer...

beijos

Por Amor disse...

A CADA DIA PARECE QUE ESTAMOS SEGUINDO MAIS Perto DA PERFEIÇÃO !!! A EVOLUÇÃO NOS CONDUZ A MELHOR AFERIR OS ATOS E ATITUDES DE CADA UM !!! POREM A COMPLACÊNCIA $$$$ DA CORRUPçÃO ASSUSTA !!! POIS DE NADA ADIANTA PEGAR E NÃO PUNIR EM TROCA DE PROPINA OU FAVORES !!! Um BEIJO

Pedro Pugliese

Clau disse...

Bom dia Lisette :)
Ao ler como funciona a rigidez no controle e punição lá fora,
é possível perceber o quanto o Brasil é anos luz-atrasado.
Que vergonha...
Aqui não há respeito pela vida.
Boa semana.
Bjs!

Priscila Ferreira disse...

Isso mesmo!
espero que de certo essa campanha!
beijos

O Árabe disse...

Belo post, Lisette! Precisamos avançar nesse campo, para proteger a vida! Boa semana.

Vera Lúcia disse...


Olá Lisette,

Nossa legislação deveria tomar como parâmetro algumas destas regras vigentes nos países citados. Com certeza, haveria grande progresso na luta contra a direção perigosa proporcionada pelo álcool.

Feliz Primavera!

Beijo.

Trocyn Bão disse...

Olá amiga
São tantas coisas a serem feitas, tantas coisas que devemos aprender, que por vezes chega a desanimar.
Torço para que consigamos chegar ao menos perto, só assim teremos segurança em tudo, inclusive no trânsito, com leis mais regidas e esclarecedoras

Abraços,
Trocyn Bão - Thiago

Élys disse...

Apenas campanha,pouco vai adiantar.É preciso fazer uma legislação que efetivamente, seja mais rígida e funcione.
Beijos.

Giancarlo disse...

Purtroppo chi guida in stato di ebrezza è un pericolo mortale per tutti. Una buona serata...ciao

Sotnas disse...

Olá Lisette, e que tudo esteja bem!

Em um país de população com suficiente educação para compreender que muitas vezes proteger equivale a destruir, até mesmo nossa legislação surte o desejado efeito, porém neste meu amado Brasil, o povo tem a desgraçada ideia de que ser esperto, livra-se de qualquer incômodo a qualquer custo, ainda que tenha de burlar as leis para proteger os aparentados é mais importante que a vida do semelhante, cá a cultura é que se deve levar vantagem sempre, ainda que para isso uma ou várias vidas sejam perdidas, Com certeza não há no universo uma legislação que funcione, temos claros exemplos na direção da nação. Lamento, mas, sou forçado a desacreditar no animal homem!
Mas considero suas postagens válidas, apesar de que somente alguns poucos pratiquem as regras do bem viver em qualquer sociedade!

E grato por compartilhar teus pensamentos e também por tuas generosas visitas e comentários por lá eu desejo que tenha sempre intensa alegria em teu viver, abraços e, até mais!

Lis Fernandes disse...

Olá Lisette!
Precisamos de campanhas e de ações.
Há de chegar o dia em que as coisas vão melhorar por aqui.
Deus queira que sim.
Beijos,
Lis

MARILENE disse...

Quanto mais rigorosa for a legislação, mais cuidadosos se tornarão os motoristas. Bjs.

Lilazdavioleta disse...

Quando comparamos certos comportamentos com os países citados ,
sinto vergonha do nosso atraso .

Um beijo, Lisete

Silenciosamente ouvindo... disse...

É importante que a Legislação avance,
todavia tudo está mais no comporta-
mento das pessoas. Em Portugal
é proibido conduzir e falar ao
telemóvel e no entanto eu estou
sempre a ver isso.Ultrapassagens
horríveis que eu ate fico arrepiada!!! Enfim andar na estrada
é quase como ir para a guerra.
Bj.
Irene Alves

Regina Rozenbaum disse...

Concordo com você Lisette. Segurança e educação (treinamento) tem que ser diário! Infelizmente não tenho esperança que um dia cheguemos perto dos outros países...principalmente nas punições!
Beijuuss

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Minha querida

Que se tomem medidas, porque as mortes na estrada é pior que uma guerra.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

Marli Terezinha Andrucho Boldori disse...

Olá Lisete, belo texto , nos dá muita reflexão, infelizmente estamos a passos lentos para uma evolução total. Seria interessante se houvesse interesse maior na Educação e Saúde. Vamos aguardar na luta pelos nossos direitos.Quem sabe nossos governantes percebam que no trânsito, há necessidade de educação também. Grande abraço!

Flor de Jasmim disse...

Que o respeito ea educação venha a ser concretizada a sério um dia.

beijinho e uma flor

Evanir disse...

Amiga , que tristeza até onde e quando
nossa gente não aprende beijos ,Evanir

Dorli disse...

Boa noite amiga,
É só no Brasil que as penas são leves. Uma vergonha!
O que eu achei muito forte foi na Suécia: acho expor uma pessoa, por exemplo: certas pessoas, até jovens que tem labirintite que só da crises se não toma remédios, ela não consegue se equilibrar numa perna só. Até provar o contrário, a pessoa já está presa.
Obrigada
Beijos
Lua Singular

MARIA JOSE Rezende disse...

Olá amiga. Concordo com você. É preciso que haja investimento sério em educação e segurança no trânsito de forma contínua e ininterrupta. Beijos.

Anne Lieri disse...

Lisette, vc deve ter visto aquele motorista que dirigiu numa estrada na contramão por 13 km, eu acho. Lógico que estava alcoolizado.Acho legal os policiais terem esse curso,mas as leis precisam mudar tb.bjs,

Lucimar da Silva Moreira disse...

Boa tarde Lisette, que bom esses ensinamentos dos policiais, Li beijos.
Blog/Grupo Amigos/FanPage/ Pinterest/NetworkedBlogs/Bloglovin

*** ZIZI *** PARA OS AMIGOS!!! ### disse...

Este curso vai ser tudo de bom para os policiais amiga! Belo texto!
Beijinhos...

Antônio Lídio Gomes disse...

Caramba! O Brasil seeeempre atrasado!!!!!!!! Até quando?
Um abraço. Bjs.

Nilson Barcelli disse...

A questão é mesmo cultural.
Por isso, não adianta muito punir com mão pesada.
Lisette, tem um bom resto de semana.
Beijo.

Maria Adeladia disse...

Isto é um problema educacional.Tomara que dê tudo certo e o trânsito melhore.Bjs amiga.

Luma Rosa disse...

Oi, Lisette!
Acho que o Brasil tem que adotar normas parecidas com as da Inglaterra. Lá é preciso que o condutor embriagado frenquente palestras e preste serviço em clínicas de alcoolicos, para ter a exata compreensão dessa doença que muitos não reconhecem ser portadores.
Feliz primavera!!
Beijus,

Ghost e Bindi disse...

Quando se compara as leis brasileiras com as de outros países, até desanimamos...falta tanto ainda para chegarmos a ter leis justas e eficazes! Mas se o povo desanimar, os legisladores e políticos é que não farão nada, então, 'bora lutar!

Um grande abraço!

๑۩۞۩๑ Bíndi & Ghost ๑۩۞۩๑

manuela barroso disse...

Olá Lisette!
aqui tentam driblar o álcool inventando certas bebidas para anular os efeitos mas o que realmente interessa é consciencializar!
Beijinho grande!

Celina disse...

Oi amiga bom dia, realmente o que falta no Brasil é o cumprimento das leis, estive lendo dos outros Países, o Brasil que gosta de copiar muitas coisas que vem de fora, porque não copiar o que realmente serve e levar segurança a todos. Lisetti, um abraço fraterno e obrigada por seu interesse que tudo der certo.Celina