Translate

terça-feira, 12 de março de 2013

Em depoimento, ciclista atropelado diz que trafegava na contramão

Informação foi divulgada pela Polícia Civil nesta terça-feira (12).

Laudo do IML concluiu que motorista não estava embriagado, diz delegado.

 David Santos de Souza, de 21 anos, disse, em depoimento nesta terça-feira (12), que trafegava na contramão da ciclofaixa no momento do acidente que sofreu na Avenida Paulista, na manhã de domingo (10). Com a colisão, o jovem teve o braço direito decepado. O estudante de psicologia Alex Siwek, que atropelou David e jogou seu braço em um córrego, está detido no Centro de Detenção Provisória 2 do Belém, na Zona Leste.

De acordo com a Polícia Civil, a afirmação de que David estava na contramão no momento do acidente foi dada à delegada Priscila de Oliveira Rodrigues, do 5º Distrito Policial, em um quarto do Hospital das Clínicas, nesta tarde. "Ele trafegava na mão certa, mas no cruzamento onde ocorreu o atropelamento ele tinha entrado na contramão", disse Carlos Eduardo Silveira Martins, delegado titular do 5º DP. A delegada Priscilla, que ouviu David, não quis falar com os jornalistas. O depoimento do ciclista foi colhido na presença de um advogado do Hospital das Clínicas, segundo a polícia.

O carro que atropelou o jovem, segundo depoimento do ciclista, estava no sentido Paraíso da Avenida Paulista e ele, no sentido Consolação. O jovem relatou à polícia que foi atingido de frente pelo veículo de Alex e que chegou a ver o carro vindo em sua direção, em alta velocidade. Questionado sobre as circunstâncias da colisão, o delegado não soube explicar como o ciclista foi atingido. "Há fatos novos nas investigações, mas estamos apurando e não queremos divulgar informações precipitadas", disse Martins.

O delegado revelou ainda que o laudo do Instituto Médico Legal (IML), entregue nesta terça-feira, apontou sinais de embriaguez no motorista do veículo, mas concluiu que Alex não estava embriagado. A Polícia Civil disse que irá questionar a conclusão do laudo.

Martins acredita que o resultado pode ter sido prejudicado porque Alex foi submetido ao exame horas depois do acidente. O exame foi realizado às 11h21 e o atropelamento ocorreu por volta das 5h30. No documento do IML, a médica responde a duas perguntas: "há sinais indicativos que o examinado está sob efeito de álcool etílico? Sim" e "Em consequência disso, ele está embriagado? Não".

A polícia pretende enviar perguntas à medica do IML que examinou o jovem para entender o resultado. Um exame clínico havia apontado que o jovem tinha bebido antes do acidente.

Motorista detido

O estudante de psicologia Alex Siwek, que atropelou David e jogou seu braço em um córrego, está detido no Centro de Detenção Provisória 2 do Belém, na Zona Leste. Seu advogados pediram na segunda-feira (11) a liberdade provisória e aguardam uma resposta da Justiça. A promotora do 1º Tribunal do Júri Manoella Guz se manifestou pelo indeferimento do pedido de liberdade provisória do Alex e pela conversão da prisão em flagrante em preventiva.

Antes de concluir o inquérito, a polícia aguarda os resultados das perícias feitas no local da batida, no carro de Alex e no Córrego Ipiranga, local onde o braço foi jogado na Avenida Doutor Ricardo Jafet. Segundo o delegado Martins, 13 pessoas já foram ouvidas, entre testemunhas e envolvidos no caso.

A polícia também busca imagens de câmeras de segurança do local do acidente e também do ponto onde o braço foi jogado. Até agora, a polícia tem apenas imagens de uma câmera da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) que mostram uma viatura de resgate passando às 6h06 de domingo para atender a ocorrência.

O exame clínico que apontou que o motorista havia ingerido bebida alcoólica antes do acidente também já estão com a polícia. A comanda de consumo de Alex Siwek, paga na casa noturna de onde ele saiu antes de atropelar o ciclista, mostra que ele pagou por três doses de vodca e um energético. O horário que a comanda individual de consumo foi fechada, às 6h, porém, é posterior ao horário do acidente, ocorrido às 5h30.

Testemunhas

David ia para o trabalho quando foi atingido pelo carro conduzido pelo estudante de psicologia Alex Siwek, de 22 anos. Testemunhas disseram que o carro andava em zigue-zague e já tinha derrubado alguns cones colocados na Avenida Paulista para sinalizar a instalação da ciclofaixa. Após atingir o ciclista, o motorista deixou o local sem prestar socorro.

O estudante Thiago Chagas dos Santos, que já tinha feito curso de primeiros-socorros, foi a primeira pessoa a prestar atendimento ao ciclista.

Santos observou que o limpador de vidros perdeu os sentidos. “Vi que ele não estava respirando, não tinha pulso. Fiz respiração boca a boca e massagem cardíaca”, afirmou Santos ao Bom Dia São Paulox. Segundo ele, alguém que passava pelo local afirmou que a vítima estava sem o braço. “Ele ouviu e entrou em desespero. Eu falava que ele estava com o braço para ele não ficar mais desesperado ainda”, contou.

Mãe

A empregada doméstica Antônia Ferreira dos Santos, de 51 anos, mãe do ciclista, disse que ouviu do filho a afirmação de que ele estava na ciclofaixa quando foi atingido pelo automóvel. No horário em que ocorreu o acidente, a ciclofaixa de lazer ainda estava desativada. A mãe contou que o rapaz, que trabalha como limpador de vidros, saiu de Diadema, na Grande São Paulo, e se dirigia ao trabalho, em um prédio próximo ao Hospital das Clínicas.

Nesta terça a família não quis falar com a imprensa. Na segunda (11), recebeu o SPTV em casa. A mãe da David, Antonia Ferreira dos Santos, afirma que pedia que o filho fosse ao trabalho de ônibus. “Mas ele falava que ele queria ir de bicicleta porque ele adorava andar de bicicleta.” Ela pede justiça. “Que não deixe ele amanhã ou depois sair pela porta da frente da delegacia, né? Para que não aconteçam outras tragédias como essa né?”, afirmou.

Estudante

Na descrição da polícia, o motorista Alex Siwek estava dentro de um Honda Fit ao lado de um amigo quando o acidente ocorreu, por volta das 5h30. O braço direito do ciclista foi amputado por estilhaços de vidro do pára-brisa e permaneceu preso ao veículo. O motorista fugiu do local, deixou o amigo em casa e depois foi à Avenida Doutor Ricardo Jafet, de onde lançou o braço em um córrego. Depois, voltou à própria casa, guardou o carro na garagem e dirigiu-se a pé à unidade policial para se entregar.

O advogado de Siwek, Pablo Naves Testone, afirma que Siwek não tem antecedentes criminais e que reúne os requisitos para responder ao processo em liberdade. Disse ainda que a família do rapaz está muito assustada com a repercussão do caso e que já sofreu ameaças.

"Acharam o número da residência fixa, e ligaram falando bobagens, como a mãe e o pai educaram o menino, falando que iam matá-los". A ligação foi atendida pela mãe de Alex, que, segundo o advogado, está tomando rémedios por conta dos últimos acontecimentos. "Todos estão comovidos, sabem que foi aterrorizante, e que o menino será julgado pelo que fez, mas algumas pessoas estão exagerando."

Cassio Paoletti, outro dos advogados de Alex, disse ao G1 por telefone que a defesa entrou com o pedido de liberdade provisória na segunda-feira (11) e que aguarda uma resposta do juiz. Ele, porém, não acredita que seu cliente será solto nesta terça-feira (12). "Tem toda uma tramitação burocrática, temos que aguardar." Paoletti revelou que Alex está chocado, chateado, e sendo tratado "como um preso normal".
Lívia Machado
Do G1 São Paulo


Fonte: g1,12/03/2013 15h20 - Atualizado em 12/03/2013 18h08

29 comentários:

ONG ALERTA disse...

Esta é aguerria diária do trânsito em um país que não investe em educação, usam o dinheiro público aonde?
Pagar contas de políticos irresponsáveis, um cabide de empregos.

Cristi@ne disse...

Boa noite...vi essa noticia ontem no jornal fiquei horrorizada...que brutalidade e ainda o motorista do carro fazer o que fez? sem noção mesmo...sem coração...não conseguia acreditar que alguém pudesse fazer isso...poderia ter salvado a vida do rapaz que ainda poderia ter o seu braço novamente...mas jogar num córrego, foi o fim da picada.
Onde vamos parar? é fim dos tempos mesmo...mto triste...

Thiago RioSul disse...

é vamos ver se esse paga pelo que fez.
Fico aqui pensando o rapaz pega o braço do acidentado e joga no córrego, e estuda psicologia, imagina que psicólogo será?

Se tem coragem de pegar o braço do rapaz, e jogar fora, o que será capaz de dizer aos seus pacientes com problemas emocionais, isso até dá medo ... não só dele no trânsito, mas num consultório também ..

Linda noite pra você!

Abraços
Thiago

ELAINE disse...

Olá Lisete! Tudo bem? Não sei o que choca mais, o trânsito ou as atitudes das pessoas....Perdão pela ausência.... Estive afastada do blog por motivos/problemas pessoais e estou retornando esta semana....
Uma abençoada semana!
Abraço carinhoso!
Elaine Averbuch Neves
http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com.br/

Wanderley Elian Lima disse...

Fiquei chocado quando ouvi a notícia, realmente uma tragédia, mas o que me choca mais ainda, é saber que não vai dar em nada. Do jeito que as coisas são no Brasil, é capáz da culpa ainda cair sobre o ciclista.
Bjux

Ana Bailune disse...

Não acredito que o motorista do carro esteja chocado, pois teve frieza o suficiente para jogar fora o braço do rapaz, e ainda quer aguardar em liberdade pela decisão judicial - que todos sabemos, não vai dar em nada. Se eu fosse ele, faria questão de ficar na cadeia, pois apesar de não minimizar a dor do rapaz e da família, pelo menos mostraria que eu me importo e estou arrependida pelo que fiz. Acho que o Alex deveria ser sentenciado a pagar uma indenização ao ciclista, pelo resto da vida, além de todo tratamento e despesas hospitalares.Além disso, deveria ser terminantemente proibido de exercer a profissão de psicólogo, pois já se viu que ele não tem consciência do que faz, então, como vai analisar alguém?

lena disse...

Olá Lisete.
Realmente é um relato chocante. E o pior foi o jovem ter ficado sem braço.
Beijinhos grandes.

VIVENDO A VIDA ASSIM... disse...

Pois é, mais um caso chocante na vida diária deste país. Concordo inteiramente com o que escreveu a Ana Bailune e sou também à favor de que este cidadão atropelador seja banido de ser psicólogo pois que pessoa é esta à auxiliar pessoas comuns. Deus queira que algum dia isto tude mude e não vejamos mais cenas chocantes como esta à acontecerem mundo à fora. Um beijo!!

Pérola disse...

Um flagelo! Os tribunais e as leis.
Houvesse educação e respeito e tanta coisa se evitaria.

beijinho

Nilson Barcelli disse...

Mais um lamentável acidente.
Perfeitamente evitável.
Um beijo, minha querida amiga Lisete.

Flor de Jasmim disse...

Triste demais Lisette, é revoltante, em todo o país acontece o povo pergunta, interroga quando para de morrer pessoas por falta de educação, e responsabilidade.

Beijinho e uma flor

Smareis disse...

É muito triste isso. Um rapaz que estava cursando psicologia fazer uma monstruosidade dessa. Como pode atropelar e depois desfazer do braço da vitima sem dar nenhum socorro. Quanta crueldade, esse rapaz poderia ter o braço implantado.
Nosso País precisa de leis mais rígidas.

Estou ausente do blog por mais alguns dias devido alguns problemas pessoais e alguns compromissos, mais logo estarei atualizando.

Beijos!

Bandys disse...

Oi minha amiga,
As vezes eu desanimo. É tanta falcatrua, tanto dinheiro roubado... mas sei que não posso desanimar, como jogar o braço num corrego??????? Pelo amor de Deus onde vamos chegar??

Te deixo beijos e dias melhores

Zilani Célia disse...

OI LISETTE!
COISAS INACREDITÁVEIS COMO ESTA ACONTECEM TODOS OS DIAS NOS DEIXANDO BOQUIABERTOS COM A CAPACIDADE DE CERTAS PESSOAS.
ABRÇS
http://zilanicelia.blogspot.com.br/ClickAQUI

isa disse...

Lisete,chocante este caso.
Tanta falta de humanidades!
Beijo.
isa.

Lis Fernandes disse...

Olá, Lisette!
Quantas e quantas barbáries ainda vamos ver ou ouvir, até que atitudes e a consciência de muitos sejam tocadas? A pergunta que não quer calar.Onde vamos chegar assim?
Beijos e o meu carinho pra ti.

Mariangela disse...

Muito triste esse acontecimento Lizette, mas infelismente acontece muito por ai, o que é uma pena!
Beijos
Mariangela

MARILENE disse...

Fiquei pasma quando li a notícia. Como alguém pode pegar um braço decepado e o jogar fora? O que se espera de um profissional que tem essa mácula no passado?
Assustador! Bjs.

Lu Citadin disse...

A que ponto chega o descaso...a desumanidade!!!Até quando???Educação é tudo.

tossan-press. disse...

Você detalhou muito bem a notícia que deu a toda hora durante o dia inteiro, em todas estações de rádio/tv e jornal escrito. Parabéns pela criatividade da postagem. Congratulações

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...


Querida amiga

As palavras
que semeiam o pensar
são preciosas.
Delas nascem sentimentos
que nos tiram do lugar comum
e nos fazem sentir
o perfume
precioso da vida.

Olha o céu de manhã.
Vês como brilha iluminado
por teus sonhos...

✿ chica disse...

Esse caso foi de arrepiar! Faz pensar cada vez mais ao que estamos sujeitos... beijos,lindo fds!chica

Lilazdavioleta disse...

Desfazer - se de uma culpa e não prestar assistência é o que mais se vê , quer na estrada quer noutra situação .
Tristeza !

Um beijo , Lizette .

Dorli disse...

Olá
Descaso...
Lua Singular

Crista disse...

Lisette,querida!!!
Estou ficando muito cansada disso tudo.
Quando penso que algo vai mudar...vejo que me engano.

Profª Lourdes disse...

Olá minha querida, se as pessoas fossem prudentes, seguissem as normas do trãnsito com certeza os acidentes seriam bem menos e com menas vitimas. Seu trabalho nesta blogsfera é muito importante.
Abraços uma linda noite.

© Piedade Araújo Sol disse...

um relato muito chocante.

;(

Tunin disse...

Falta educação. As leis não são cumpridas e cada motorista que se exibir melhor no volante, sem dar atenção para a vida.Infelizmente.
Abração.

William Saghi Chahud disse...

Olá Amiga
tudo bem com você
assim espero o blogsite esta muito bom
parabéns!!
William